NATASHA TARPLEY: ENTREVISTA

Reading Time: 6 minutes

Mosaic is proud to announce it has partnered with the MNS Projek to translate Mosaic‘s content into numerous languages.

Launched in January 2019 as a YouTube Channel, the MNS Projek is a public translation, localization, and subtitling service dedicated to bridging linguistic divides in the Black world. It also operates as a linguistic resource aggregator that can be incorporated into curriculums used by teachers and professors lecturing on a range of subjects housed in language, social science, history, culture, art departments, and especially ethnic study courses. The mission is to develop a sanctuary that provokes serious thought and greater understanding. Our language pool currently includes Brazilian-Portuguese, Spanish, Mandarin, Swahili, and English.

The MNS Projek is a response to the linguistic parameters set afoot in the
western world and beyond via chattel slavery and colonization.


 Natasha Tarpley por Bridgette Gayle

As memórias de Natasha Tarpley, Girl in the Mirror: Three Generations of Black Women in Motion, fazem uma viagem íntima por sua linhagem materna. Já fazia um tempo desde que eu li um bom livro com tanta profundidade e dimensão, e isso me lembrou de

I Know Why the Caged Bird Sings por Maya Angelou.

Focalizando o título do livro, perguntei a Tarpley quem é “a garota no espelho”. “Ela é um reflexo do nosso passado e de nossas possibilidades para o futuro.” Tarpley afirma que a garota no espelho representa as mulheres que são constantes em sua vida “suas avós, mãe, tias e irmãs,” aquelas que ensinam lições de sua vida. “O amor delas me sustenta. Eu vejo todas essas mulheres em meu próprio reflexo.” Tarpley continua:“ É como descascar as camadas de anos e as defesas que construímos até voltarmos àquele lugar onde somos pequenos, onde a garotinha em todos nós ainda vive.”

Em Girl In the Mirror, passado, presente e futuro são como elos de uma corrente, cada elo se construindo sobre o outro para fortalecer o todo.  Perguntei a Tarpley sobre esses vínculos, a vida de sua avó e mãe e como eles afetaram sua auto-imagem.  Ela encontrou semelhanças, “ecos,” como Tarpley descreve, nas escolhas que ela, sua mãe e sua avó fizeram em relacionamentos românticos. Todas elas lutavam para amar os homens em suas vidas, sempre se perguntavam se eram bons o suficiente ou se deviam culpar pelas ações de seus homens. “Cada um de nós olha para os homens para proporcionar uma sensação de completude e satisfação que precisávamos descobrir dentro de nós mesmos. Os espaços sagrados que criamos dentro de nós para nós. Não me culpo mais. Estou aprendendo a identificar o que quero e preciso em um relacionamento. ”Para Tarpley, o processo de aprender a valorizar a independência começou com as jornadas físicas de sua avó e mãe.  Sua avó deixou o sul com destino a Chicago. Sua mãe deixou Chicago depois que o pai de Tarpley morreu, levando Tarpley e seus três irmãos para Boston. “Essas jornadas físicas representavam nossa migração interna, o movimento de um estado de nossas vidas para outro.”

Mas por que tornar públicas as mudanças emocionais e físicas das mulheres que lutavam para encontrar um lugar para si? “Eu não pretendia tornar públicas as vidas de minha avó e mãe. O objetivo era tentar entender o passado em um nível íntimo.” O projeto de Tarpley começou com o objetivo de ver como o passado se refletia no presente. Inspirado pelos movimentos históricos, o foco acabou se estreitando para as duas mulheres com quem ela estava mais próxima. Ao ouvir as histórias da avó e da mãe, Tarpley reconheceu temas recorrentes e a necessidade de homenagear as mulheres. Mas a tarefa de tecer passado e presente, flashbacks, cartas e solilóquios poéticos não foi fácil. Tarpley afirma: “Eu não conseguia manipular com facilidade.”  O livro foi escrito em uma série de vinhetas ou instantâneos curtos. Escolhi essa estrutura porque não era minha intenção escrever uma autobiografia ou biografia de minha mãe e avó. Os instantâneos me permitiram capturar momentos importantes na vida de cada mulher, como cartões postais de cada ponto do seu desenvolvimento.  Eu escolhi a primeira pessoa porque é imediata.  Eu não queria defini-los através da narração em terceira pessoa. Eu queria que as mulheres falassem.

Como as interações com os homens desencadearam muitas das experiências enfrentadas por essas mulheres, por que não dar voz aos homens também? Tarpley declara: “Minha avó costumava chamar os nomes das meninas para a grande pilha de louça suja que esperava enquanto os meninos estavam livres para voltar à brincar. Formamos um vínculo entre nós [enquanto lavávamos a louça]; um espaço quente e confortável que meu irmão e outros homens não tinham. Meu pai morreu quando eu tinha doze anos. Não tive a chance de conhecê-lo. Estou tentando conhecer meu pai fazendo perguntas à minha família sobre ele e a vida dele.” Quando criança, Tarpley achava que o pai não a amava. Agora, como adulta, ela pensa diferente. “Aprendi que as ações das pessoas são complexas. Meu pai e meu avô não eram diferentes. Eles eram homens fortes, inteligentes, apaixonados, intensos que estavam equilibrando as responsabilidades de cuidar de uma família com suas próprias expectativas de si. Não acho que eles soubessem expressar todas as coisas que estavam acontecendo em suas mentes e corações. “

A parte 1 de Girl in the Mirror é intitulada “Movimento e repouso,” que é a vinheta da avó de Tarpley. A parte 2, “Ressurreição”, é a jornada de sua mãe. A parte 3, “Evolução do amor,” é o instantâneo de Tarpley. Eu me perguntei se ela nomearia a próxima geração e como seria chamada. Tarpley responde: “Eu acho que a parte 4 seria chamada de ”Liberdade,” porque o livro trata de encontrar uma sensação de liberdade e paz dentro de si.” O livro parece representar o fluxo e refluxo natural da vida e a busca pela liberdade que faz com que  muitos saem da suas áreas de conforto em busca de descoberta, descansar para aprender e absorver, e sair novamente para descobrir mais ou talvez até redescobrir. Ao ler as memórias de Tarpley, fica claro que o passado é como combustível para a alma – sustenta, tornando o futuro uma possibilidade.

“Entendo por que as pessoas não querem olhar para trás.  O passado é pesado.  Mas para mim, o passado é vital. A história informa as maneiras pelas quais avançamos. Devemos manter uma conexão com ele e com os espíritos que moram lá. ”

Natasha Tarpley também escreveu um livro infantil, “I Love My Hair,” e editou a antologia intitulada Testemunho: jovens afro-americanos sobre autodescoberta e identidade

Photo credit: Michael Young